Descubra como Fazer a Manutenção Preventiva de Veículos. A Chave Para Prolongar a Vida Útil da sua Frota.

Vamos entender os diferentes tipos de manutenção e conhecer os componentes veiculares que mais precisam receber cuidados periódicos.

Elementos da Manutenção Preventiva


A manutenção Periódica e Preventiva é aquela efetuada frequentemente, com o

objetivo de garantir o perfeito e contínuo funcionamento do veículo a partir de

procedimentos que diminuam a chance de quebra ou mau funcionamento.

 

Os tipos de manutenção pre​ventiva são:


Manutenção sistemática: também chamada de manutenção programada. É

realizada de acordo com o tempo de uso do equipamento, obedecendo a

intervalos fixos.


Manutenção condicional: executada de acordo com o estado do equipamento,

quando e sempre que verificado algum sintoma de falha ou desgaste significativo.


Alguns dos principais objetivos da manutenção preventiva são:


• Otimizar os insumos garantindo segurança e reduzindo os impactos ambientais.


• Manter o controle histórico da manutenção, aumentando o período de vida útil

do veículo.


Normalmente, a manutenção dos veículos são realizadas por setores específicos da

empresa. Mas, muitos cuidados podem ser tomados pelo motorista a fim de evitar

danos maiores.

Motor e Carroceria

Devem ser inspecionados, os espelhos externos e internos, as portas, para-choques, bancos, borrachas de vedação, frisos e acabamentos laterais, tampas do conjunto de baterias, do motor, traseiras, grade dianteira, ar condicionado.


Baterias

O adequado

 funcionamento de um veículo é totalmente dependente das baterias. Por isso, antes de iniciar uma viagem com o veículo, deve-se:

• Verificar o nível da água e completá-lo, se  necessário;

• Lavar as baterias e seu compartimento;

• Verificar a fixação das baterias; e

• Verificar a fixação de cabos.


Filtros de Óleo

Na manutenção dos 

pré-filtros é necessário desmontá-los, limpando-se os copinhos e

verificando a pressão. Deve-se verificar o nível do óleo nos reservatórios sempre com o motor em funcionamento.

Controle o óleo:

• Do motor;

• Hidráulico da direção;

• Hidráulico de acionamento de freios;

• Hidráulico de acionamento de embreagem;

• Da caixa de marcha; e

• Do eixo traseiro (diferencial).




Sistema de Arrefecimento (Radiador)Escolha dos pneus

O principal elemento responsável por evitar o exagerado aquecimento do motor é o

fluido de arrefecimento presente no radiador, que basicamente consiste em uma mistura

de água destilada e aditivos especialmente preparados para esta funcionalidade. Esse

aditivo ajuda a evitar: o congelamento em ambientes de baixa temperatura; a fervura

em altas temperaturas; o surgimento de impurezas internas ao motor; a geração de

espuma ou borra.

Durante a inspeção verifique se o fluido de arrefecimento está entre os níveis mínimo

e máximo. Não se esqueça de verificar as condições da tampa, pois ela também possui

válvulas que controlam a pressão interna do reservatório. Se houver necessidade,

complete o radiador com água destilada e aditivo.

O líquido de arrefecimento funciona em alta temperatura e pressão, portanto, cuidado ao abrir a tampa. Se precisar remover

a tampa quando a temperatura estiver acima de 90oC, utilize um pano para cobrir e girar um pouco a tampa. Espere o vapor sair.

Somente depois de deixar escapar o vapor, é possível retirar a tampa por completo. Não se esqueça de usar luvas e óculos de

proteção.



Eixo e Suspensão




Pneumáticos.


O conjunto de pneus é responsável pela sustentação do veículo e sua movimentação.


É importante que as partes do pneu que entram em contato com o solo (a banda de rodagem) estejam em perfeita condição. Os sulcos devem ter a profundidade mínima e suficiente para permitir o escoamento da água do centro do pneu para os lados, evitando derrapagens e aquaplanagem.


Os pneus de um veículo são peças fundamentais para a segurança do motorista e dos passageiros. Portanto, as seguintes inspeções devem ser realizadas:


• Checar a pressão sempre que os pneus estiverem frios.

• Checar e identificar avarias, como cortes, desgaste ou perfurações.



Calibragem.

 A pressão de enchimento deve obedecer àquela indicada pelo fabricante do veículo e do pneu. Sua inspeção visual deve ser diária e sua aferição deve ser realizada sempre que se realiza o abastecimento de combustível. 

A pressão ideal dos pneus é função do tipo, da aplicação e da quantidade de carga que será transportada.

 A calibragem deve ser realizada com os pneus não aquecidos e deve incluir o pneu sobressalente (estepe). 

A calibragem com o pneu aquecido pode levar a erro na leitura, pois a maior agitação das moléculas de ar dentro do pneu em função da temperatura, normalmente, provocará aumento na medida da pressão.

Uma pressão inadequada (maior ou menor) pode provocar sérios danos à estrutura do pneu.


Pneu Recapado e Pneu Remoldado.


No pneu Recapado, é inserida borracha que “encapa” a banda frontal ou superior, ou

ainda de rodagem, e uma pequena parcela da banda lateral do pneu. A carcaça e a

borracha entram em moldes que contêm o desenho da banda de rodagem do pneu.

Esses moldes exercem pressão sobre o pneu e trabalham a aproximadamente 150

graus Celsius.

No pneu Remoldado, a borracha encapa a banda de rodagem e toda a lateral do pneu.

Nesse caso, uma quantidade maior de borracha é aplicada ao pneu. A maior desvantagem

deste tipo de pneu é a dificuldade de identificar a “carcaça” (marca) original do pneu,

já que a borracha envolve toda a lateral do pneu. Assim, você estará sujeito a utilizar

pneus com diferentes projetos e/ou estruturas em seu ônibus, podendo ocasionar

problemas.


Para manutenção, recomenda-se que o setor responsável da empresa:


• Verifique a calibragem uma vez por semana;

• Faça o rodízio a cada 10 mil quilômetros, aliado ao alinhamento de rodas e

direção.

• Não adie a troca de pneus. Quando a borracha atingir a marca de desgaste, é

hora de trocar.


Seja qual for o tipo de modelo utilizado em seu veículo, verifique sempre o Selo de Certificação de Qualidade do Inmetro.

Transmissão e Conjunto Acelerador.


No tocante à transmissão, é necessário realizar o reaperto de todos os parafusos de

fixação e o acoplamento de cruzetas.

Durante as inspeções do conjunto acelerador, é necessário checar:

• A folga nos terminais (ponteiros).

• O encosto da alavanca no batente da bomba (aceleração máxima).

• O lacre na bomba e no regulador.

• O estrangulador do motor.


Comando do Freio Motor — corrigir e reapertar:

• A folga nos terminais.

• A folga no eixo da borboleta.

• O distanciamento e empenos nas hastes.

• O funcionamento do corte de combustível.


O freio motor é um sistema auxiliar que se aproveita da potência

dos propulsores Diesel como força de frenagem em declives,

assim como em retas.

O acionamento do freio motor diminui o desgaste dos freios do

veículo, porém, sua maior eficiência se dá quando em marchas

reduzidas e giro elevado.


Entre as vantagens deste sistema, podemos destacar a redução de velocidade do

veículo com maior segurança, pois o motorista conta com uma melhor dirigibilidade

e estabilidade do veículo. Além disso, o freio motor torna as descidas e viagens mais

rápidas, com menor consumo de combustível e economia do sistema de freios, que se

traduzem numa diminuição do custo operacional e também em vantagens ambientais.



Faróis, Lanternas e Luzes de Advertência.

 Antes de qualquer viagem, verifique se os faróis estão bem regulados, se as

lanternas traseiras e luzes de freios estão funcionando. As lanternas, os faróis e as

luzes de advertência são itens importantes para praticar uma direção segura. Se

eles apresentarem defeito, podem prejudicar ou impedir o controle em situações de

emergência, colocando em risco sua vida e a de outras pessoas.

Vazamentos.


Uma das principais causas inesperadas de quebra dos veículos são os vazamentos dos

fluidos e/ou líquidos. Antes de acionar o veículo, em especial após um razoável tempo

parado, o motorista deve observar por baixo do veículo se há marcas ou vestígios de

vazamentos, bem como, em caso positivo, que tipo de fluido e/ou líquido vazou. Caso

seja confirmado o vazamento, e a quantidade vazada seja considerável, o veículo não

deve ser ligado e sim, imediatamente submetido a uma manutenção corretiva.

Ao verificar as partes debaixo e de cima do motor, observe as mangueiras, as juntas,

os retentores e, caso haja algum vazamento, providencie o encaminhamento à oficina

para reparação.



Procedimentos para uma Manutenção Segura e

Abrangente.


Antes de iniciar um dia de trabalho, o motorista deve certificar-se de que todos os

itens da manutenção descritos anteriormente tenham sido realizados nas datas

programadas. Caso contrário, o motorista deverá comunicar esse fato ao técnico da

empresa responsável por essa atividade.


Se a manutenção estiver em dia com o plano, o motorista somente precisa fazer

algumas checagens básicas antes de iniciar as atividades de transporte:


• Inicialmente, deve checar se os pneus estão cheios e sem cortes ou bolhas.

• Em seguida, precisa verificar se as luzes de freio e seta não estão queimadas.

• Sempre dirigir seguindo as normas da empresa e as leis de trânsito.


Ao atingir a quilometragem programada para a revisão, devem ser considerados os

seguintes pontos:


• Reclamações do motorista quanto ao desempenho do veículo;

• Anotações do revisor e do fiscal quanto às condições de manutenção.

• Defeitos pontuais ou recorrentes nos dias anteriores.

• Se todos os componentes foram vistoriados e conferidos, incluindo pneus,

amortecedores, filtros.


Higiene



 Foi-se o tempo em que fumar era um hábito comum entre os passageiros. Antigamente,

até mesmo os motoristas fumavam dirigindo. Hoje, os costumes mudaram. Note que a

maior parte dos veículos novos nem possui mais cinzeiros ou acendedores de cigarro.

Já tinha percebido?

É impensável entrar em um ônibus cheirando a tabaco por exemplo.

 Na maior parte das cidades brasileiras, tornou-se proibido fumar em veículos de transporte público.


Mas, os cuidados com a higiene vão além do cheiro de cigarro.

Quanto mais usado for o veículo, maior deve ser a atenção do motorista e do pessoal de manutenção, observando-se sempre

se o passageiro não deixou algum lixo nos bancos ou no chão do veículo. 


O mau cheiro é provocado principalmente por fungos e bactérias que se proliferam

na presença de umidade e de restos de resíduos orgânicos (alimentos, folhas

de plantas ou dejetos). Por se tratar de um ambiente fechado, a umidade e as

manchas que se formam no interior do veículo levam muito mais tempo para

oxidar e serem eliminadas do que em ambientes abertos.





Sugestões importantes:


• Quando o ônibus for lavado, caso sejam utilizados produtos líquidos ou pano

molhado nos bancos e carpetes, deixe o veículo secar ao sol com os vidros e

portas abertos.

• Verifique se o seu veículo possui filtro de ar de cabine. Ele evita cheiros fortes. O

período para troca é de um ano.

• Se você sente um cheiro forte e desagradável quando para seu veículo no

semáforo, fique atento: seu catalisador pode estar com problemas.

• Se cair algum líquido de cheiro forte no carpete ou nos bancos, limpe rapidamente

com pano e detergente. Depois, deixe o carro aberto ao sol, em lugar ventilado.

Se o cheiro continuar, comunique ao setor responsável da empresa, para que se

faça uma lavagem especializada de carpetes e bancos.


Equipamentos de Segurança e de Emergência.


Verifique sempre o estado de conservação dos cintos de segurança: engates, cinta e

pontos de fixação. Confira o estado das tiras, lubrifique os mecanismos e faça a limpeza

regularmente.


O extintor de incêndio é um dispositivo fundamental para a segurança do veículo e,

principalmente, dos passageiros. Trata-se de um equipamento de uso obrigatório e

deve ser checado periodicamente para garantir que esteja sempre funcionando. Os

veículos de transporte de passageiros devem ter um extintor de incêndio com carga de

pó químico seco ou de gás carbônico.


Jamais deixe de conferir o estado e a validade do extintor de incêndio. Isso pode

trazer-lhe sérios problemas com a legislação. Dê a mesma atenção aos demais itens de

emergência, como estepe e triângulo de sinalização.


No trânsito diário, os vidros pegam sujeira. Não deixe que ela se acumule. Além de

contribuir para melhorar a visibilidade, a limpeza dos vidros é fundamental para a boa

aparência do veículo.


Fique atento ao estado de conservação dos limpadores de para-brisa. Confira sempre a pressão do braço do limpador e o estado das borrachas. Aproveite para checar o esguicho de limpeza.





Compartilhar esta publicação
Nossos blogs
Arquivar